terça-feira, 22 de agosto de 2017

O cristão e a música mundana

Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai. Fp 4:8

Recentemente, participei de um evento que refletia sobre o que é e a importância da cosmovisão cristã, ou seja, da visão de mundo sob a ótica do Cristianismo. Foram dias fenomenais! Cada palestra mais instigante e edificante do que a outra, e assim se transcorreu a semana.

Entretanto, no último dia, todos os participantes se reuniram para uma espécie de confraternização em um local que eu, na minha ingenuidade, achei que seria apenas uma lanchonete. Ao chegar ao local, percebi que era um barzinho com música ao vivo. Como havia algumas pessoas que estavam de carona comigo, resolvi sentar, comer e então ir embora.

Não obstante o incômodo que o local trazia, pensei que estar junto com os irmãos faria com que o ambiente ficasse mais agradável, afinal, ali estavam pessoas altamente qualificadas e que haviam se comprometido em mudar o mundo, levando os princípios e valores de Cristo!

De repente, o cantor começa a cantar uma música da banda Paralamas do Sucesso. Nessa hora, a maioria esmagadora da mesa (havia cerca de 50 pessoas) começou a cantar, bater palmas e dançar, em sincronia, de um lado para o outro em seus lugares. Olhos fechados, rostos sorridentes e a sintonia das palmas em consonância com a malfadada música era a fotografia do momento.

Irmãos, nesse momento tive vontade de chorar! Meus olhos se encheram de lágrimas. Meu coração ficou apertado. Comecei a falar com Deus dizendo: “Senhor, são essas pessoas que vão mudar o mundo? Eles se esqueceram de que ser amigo do mundo é ser inimigo de Deus?” Continuei falando com o Senhor: “Será que todos aqui estão certos e eu é que estou errado?” Então o Senhor trouxe ao meu coração, instantaneamente, a Sua Palavra: “(…) Adúlteros e adúlteras, não sabeis vós que a amizade do mundo é inimizade contra Deus? Portanto, qualquer que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus.” Tg 4:4

Após esse evento, pude perceber que o liberalismo e a máxima do “tem nada a ver” têm infectado a Igreja e o povo de Deus. É comum se utilizar a declaração de que a Bíblia não nos proíbe nada, sob a perspectiva de que tudo me é lícito, e que imputar proibições seria, na verdade, uma prática legalista. Veja, essa é, na verdade, uma declaração falaciosa. Legalismo, na verdade, é utilizar a Palavra de Deus para pecar. Legalismo é isolar um versículo da Bíblia, e porque este diz, dentro de um contexto, que todas as coisas me são lícitas, mas nem todas me convêm (1 Co 6:12), esquecer todo o restante da Bíblia. O verdadeiro legalismo é utilizar as Escrituras como meio de justificação para a prática do pecado!

Entrando mais a fundo no cerne desse artigo, têm surgido, de forma reiterada, notícia pós-notícia de que cantores do mundo gospel estão entoando músicas seculares, ou até mesmo frequentando shows da mesma espécie. Desde Kleber Lucas, Thales Roberto, Perlla, Priscila Alcântara e agora o vocalista do Oficina G3, Mauro Henrique, as notícias não param de surgir.

O pior é que essa gente tem arrastado um caminhão de incautos. São líderes sem compromisso verdadeiro com Deus, amantes mais dos seus prazeres do que da presença do Altíssimo. Estamos vivendo tempos em que o diabo tem entrado nas Igrejas, tomando a adoração para si; tempos em que não há mais adoração, e sim desejos, pecados, lucros exacerbados e autopromoção.

Daria para escrever um artigo sobre cada um desses “crentes” citados acima, mas quero me ater apenas à justificava do último deles, Mauro Henrique. Ao ser questionado sobre o fato de ter cantado Beatles em determinado show, a sua resposta foi a seguinte: “Essas oportunidades fazem com que as pessoas que têm algum preconceito da religião percebam que não somos bitolados. Tenho uma relação boa com vários artistas seculares. Música para mim, é música1.” E aí está o motivo pelo qual a simbiose de cantores evangélicos com o mundanismo tem se tornado cada vez mais frequente.

O cerne da questão, como sempre, está no coração. A música, de fato, é algo bastante envolvente, e o fato de músicos que se intitulam cristãos sucumbirem à música mundana ocorre porque estes amam mais a música do que a Deus. Para eles, a música dá tanto prazer que, embora não glorifique a Deus, as suas carnes não conseguem resistir. São pouco, ou quase nada, conhecedores da Palavra de Deus, sempre utilizando a máxima “não julgueis” ou “Deus é que é o juiz”, ou ainda “não seja legalista” para justificarem suas práticas cheias de satisfação egocêntrica e mundana. Hipócritas! Não têm qualquer temor ou reverência a Deus.

Falsos cristãos, amantes de si mesmos, amigos do mundo e dos prazeres do mundo! Eles escarnecem do evangelho e do nome do Senhor Jesus, gerando escândalos e profanando o nome Santo do Senhor, dando mal testemunho e impedindo que o pecador caído se aproxime de Deus! Como a Palavra do Senhor assegura, serão responsabilizados: “E disse aos discípulos: É impossível que não venham escândalos, mas ai daquele por quem vierem! Melhor lhe fora que lhe pusessem ao pescoço uma mó de atafona, e fosse lançado ao mar, do que fazer tropeçar um destes pequenos.” Lc 17:1-2.

Deus, segundo a Sua Santa Palavra, procura adoradores em Espírito e em verdade. Aqueles, porém, têm profanado o altar de Deus. Deus não habita em meio ao pecado e a Justiça de Deus não tardará em se cumprir.

Há quanto tempo você não vê um aleijado levantar de uma cadeira de rodas? Há quanto tempo você não vê um cego retomar a visão? Há quanto tempo você não vê um portador de AIDS ser curado? Se é que você viu um dia. Ora, Deus mudou? Decerto que não. Deus continua o mesmo. A verdade é que o povo de Deus, ao contrário do que havia na Igreja primitiva (E em toda alma havia temor, e muitas maravilhas e sinais se faziam pelos apóstolos. At 2:43), não há mais temor ao Senhor. Pessoas têm “saído” do mundo com seus vícios e desejos e não permitem que Deus as liberte. Então começam a subir nos púlpitos para cantar, mas com o coração na MPB, no funk e no pop rock. Não se engane, Jesus disse que onde estiver o seu coração, ali estará o seu tesouro.

A Palavra do Senhor nos garante que Deus não relativizou Sua Santidade. O que ocorreu é que Aquele que é Santo, Jesus Cristo, pagou o preço por todos que lhe têm como Senhor e Salvador. E nestes, habita o Espírito Santo de Deus. Ser templo de Deus significa ouvir a voz do Senhor e permitir que Ele nos transforme. Todavia, aqueles que não têm qualquer convencimento de seus pecados assim o estão por não ouvirem mais a voz do Senhor. Suas consciências estão cauterizadas e, como mortos, já não sentem a dor e a culpa pela prática do pecado. A ira de Deus continua existindo, e tem aumentado a cada dia, até que o cálice da ira de Deus transbordará!

Se você se diz crente em Jesus Cristo e não teve sua mente transformada, libertando-o de seus velhos prazeres, práticas e condutas, sinto lhe dizer que você precisa de conversão. Você pode até ainda não conseguir vencer suas lutas contra o pecado, mas o que não pode acontecer, de maneira nenhuma, é você conviver com o pecado achando que em Jesus você pode fazer o que quiser sem qualquer consequência. É a podridão do pecado não te incomodar mais. É você estar com sua mente cauterizada e dormente. É o mundanismo ser tratado como normal e o santo passar a se misturar com o profano.

O Apóstolo Paulo nos diz que, em Cristo temos nossa mente renovada: “E não vos conformeis com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus”. Rm 12:2. Este termo (renovação) no grego é metanoia, ou seja, completa transformação da mente em Cristo Jesus. Mas atente ao início do versículo: “E não vos conformeis com este mundo”. Conformar com este mundo é tomar a forma do mundo! Faça um exercício voltando ao exemplo no início desse artigo, e reflita: ao ver aquela cena, você diria que se tratava de pessoas do mundo ou crentes em Jesus?

Ainda com relação à declaração do vocalista do Oficina G3, se ser bitolado é odiar o pecado e o modelo desse mundo, então eu sou sim bitolado, e graças a Deus por isso!

A Bíblia diz: “Apartai-vos de toda aparência do mal”. 1 Ts 5:22. Ora, só a aparência do mal já é algo pecaminoso!

Queridos, a música tem em si uma característica de adoração. Ela penetra no coração! O que tem entrado no seu coração? Você tem guardado seu coração a Deus? Se você ainda tem necessidade de viver as coisas outrora vividas, precisa permitir que Jesus o liberte completamente. Clame a ele e odeie o pecado!

Igreja, clamo com o mais profundo da minha alma: não relativize as verdades de Deus. Não perca tempo com o mundo, nem entregue seu coração àquilo que quer ocupar o lugar do Senhor! A sua comunhão com Deus e a sua eternidade são valiosas demais para serem arriscadas com algo que fará você se parecer com o mundo e com aqueles que escarnecem ao Senhor Jesus!

Apenas a título de exemplo, um dos maiores compositores de música clássica do séc. XIX, Richard Wagner, era satanista declarado, e muitos cristãos o ouvem, sem saber, até os dias de hoje. Cuidado com o que você ouve e adora! Não arrisque. Você tem muito a perder…

Por fim, não conheço um herói da fé que tenha tido profunda intimidade com Deus e tenha perdido tempo com a adoração e o padrão deste mundo!

Que nosso Senhor Jesus te abençoe grandemente e lhe discernimento espiritual para que você não seja enganado por este mundo caído.

Grande Abraço,

_________________________
Hélio Roberto

Casado com Hellen Sousa e pai da princesa Acsa Sousa. Servidor Público Federal, graduado em Teologia e em Gestão Pública. Diácono e Líder do Ministério de Acolhimento da Igreja Batista Cristã de Brasília. Contato para ministração e estudos bíblicos: helior.ssousa@gmail.com

Fonte: 
www.gospelprime.com.br

sábado, 29 de outubro de 2016

COMETI UM ERRO GRAVE

Pr. Gomes Silva

Há anos ouvi alguém dizer que o “Diabo não vem senão para matar, roubar e destruir”, justificando sua declaração no texto de João 10:10. E, levado por aquele pregador acabei entrando na mesma “onda” e por várias vezes também assim o fiz, “provando” pelo versículo isolado que aquele “inimigo” era satanás. Da mesma forma, hoje, muitos pregadores – por falta de atenção ou desconhecimento mesmo -, continuam pregando e ensinando que Jesus estava falando de satanás. Nada disso!

Posteriormente, quando preparava uma mensagem expositiva no texto de João 10:1-21, onde Jesus está falando que Ele é o bom pastor, aí eu parei. Parei com tristeza; pensei alguns minutos e voltei àqueles momentos que, de “cima” de um púlpito, afirmava:  Diabo não vem senão para matar, roubar e destruir.  (não que eu esteja dizendo que satanás não seja um dos nossos inimigos). O problema é que o inimigo que Jesus está falando no texto é o falso pastor. E o próprio Jesus dá a interpretação, dizendo: “Em verdade, em verdade vos digo, O QUE não entra pela porta no aprisco das ovelhas, ESSE é LADRÃO E SALTEADOR” (v. 1).

Mas, sobre o assunto, as palavras de Jesus não param por aí. No versículo oito do mesmo texto, Cristo mais uma vez declara a identidade do ladrão, dizendo: “TODOS QUANTOS VIERAM ANTES DE MIM são ladrões e salteadores; mas as ovelhas não lhes deram ouvidos” (v. 8). Essa é uma clara evidência de que Jesus se referia às autoridades religiosas do judaísmo do Seu tempo. Referia-Se, pois, aos pastores de Israel, que, segundo Jesus, eram verdadeiros mercenários, conforme se lê:

“O mercenário, que não é pastor, a quem não pertencem as ovelhas, vê vir o lobo, abandona as ovelhas e foge; então, o lobo as arrebata e o logo as arrebata e dispersa ” (v. 12).

Pelo verso 8 também podemos concluir que esse “inimigo” não pode ser o diabo, pois ele não veio antes de Jesus. Como o texto é uma metáfora sobre salvação, podemos dizer, sim, que esses que vieram antes de Jesus foram mercenários que vieram trazendo uma mensagem que não retrata a verdade do evangelho. Aliás, hoje, em muitos lugares, não se prega sobre a verdade, sobre arrependimento de pecado nem da conversão a Cristo (Atos 3:19); e muito menos da responsabilidade individual diante de Deus daqueles que se declaram ser cristãos.

Então, você pode perguntar:  Em que versículo Jesus cita “falso pastor”? Em todo o texto, embora seja uma metáfora para salvação, pois Jesus fala do bom pastor. Ele. Os demais sãos falsos pastores. Mercenários, que visam tão-somente o lucro proveniente da fidelidade do povo para com Deus (e até cobram o que não podem cobrar), mas não tem nenhuma responsabilidade com o rebanho, contrariando os deveres do presbítero enquanto apascentador do rebanho do Senhor, conforme exortação de 1 Pedro 5:1-4:

1 Portanto, apelo para os presbíteros que há entre vocês e o faço na qualidade de presbítero como eles e testemunha dos sofrimentos de Cristo como alguém que participará da glória a ser revelada:
2 pastoreiem o rebanho de Deus que está aos seus cuidados. Olhem por ele, não por obrigação, mas de livre vontade, como Deus quer. Não façam isso por ganância, mas com o desejo de servir.
3 Não ajam como dominadores dos que foram confiados a vocês, mas como exemplos para o rebanho. (foi aí onde cometi inúmeros erros em meu ministério pastoral – observação do autor)
4 Quando se manifestar o Supremo Pastor (Cristo), vocês receberão a imperecível (incorruptível) coroa da glória.

Então, querido leitor, você que é pregador da palavra de Deus. Não caia no erro de afirmar alguma frase de outros pregadores em seus sermões sem antes ter certeza de que realmente aquilo retrata verdade. E não continue afirmando que o inimigo referido por Jesus Cristo é satanás. É preciso discernir se o ladrão é o diabo ou se é homem. Neste caso específico, trata-se do homem aproveitador.

Lembre-se: A Bíblia Sagrada é a Palavra de Deus e, como tal, a única base segura para todos os que desejam servi-lo de acordo com a Sua vontade. E para transmiti-la precisamos conhecer texto e contexto para não transformar uma simples observação textual numa grande heresia.


Leia a Palavra de Deus, medite as horas que for preciso e não fale nada do que está na Bíblia se não tiver certeza!




sábado, 23 de abril de 2016

O Pregador E Sua Saúde

Aldenir Araújo
http://www.opregadorfiel.com.br/



"Por que estou escrevendo sobre isso?" Eu pensei: "Este assunto deveria ser sobre pregação, não sobre fazer dieta ou exercícios físicos". Minha aula de teologia pastoral estava cheia de informações práticas, mas nos meus vinte e poucos anos eu pensava que a seção sobre a saúde física era irrelevante. Eu estava ansioso para aprender sobre o ministério, habilidades de pregação, crescimento da igreja, qualidades de liderança ... mas exercitar? Não estava muito interessado. 

Uma das coisas necessárias para apascentar o rebanho de Deus é uma boa saúde física no pastorado. Para sustentar um ritmo tão vigoroso e exaustivo como o ministério requer, deve-se desenvolver tanto a preocupação como a capacidade de cuidar de seu bem-estar físico, e um corpo que foi disciplinado e treinado para atender às demandas. 

É obvio que o pregador sem nenhuma experiência ministerial, não tem ideia do que quer dizer: "ritmo vigoroso e exaustivo" do ministério. Além disso, estando na melhor forma física da vida não pode imaginar um tempo em que isso será pertinente. Mas a vida tem uma maneira de trazer a verdade ao ponto de partida. Estações passam, os músculos enfraquecem e o tempo passa ... antes que você perceba, você está garimpando sua biblioteca de livros de teologia pastoral tentando encontrar alguns conselhos sobre a saúde física (enquanto está respirando com dificuldade, posso acrescentar). Veja: O Pregador E Seus Críticos 

Quanto mais velho fico, e quanto mais envolvido no ministério eu fico, mais eu percebo o significado de "ritmo vigoroso e exaustivo". Mas, o mais importante é que eu entendo melhor a responsabilidade que tenho como um mordomo para cuidar do "templo de Deus". O pregador, que deve ser um exemplo em todas as coisas, deve demonstrar para as pessoas como cuidar do templo do Espírito Santo. Veja também: O Pregador E Sua Chamada 

Eu certamente defendo a piedade acima de todas as coisas. Até mesmo porque Paulo declarou: "Porque o exercício corporal para pouco aproveita, mas a piedade para tudo é proveitosa, tendo a promessa da vida presente e da que há de vir". Mas não devemos tomar esse versículo fora de contexto. Este não é um passe livre para se jogar no sofá, sem nunca pensar na sua saúde. Paulo não estava tentando desqualificar os benefícios do exercício físico, tanto quanto ele estava tentando acentuar a necessidade de santidade. Eu afirmaria que há uma forte correlação entre a santidade e a integridade de espírito, alma e corpo. 

Quando fazemos más escolhas de vida e saúde, isso afeta nosso ministério. Acho que é difícil começar o dia com zelo e paixão quando eu só obtive algumas horas de sono. Eu fico cansado e lento quando eu como demais. Deus nos chamou para fazer o trabalho do ministério pelo poder do Espírito Santo, mas a carne vem junto no pacote. 

Estou descobrindo mais e mais os benefícios de uma boa saúde no que se refere ao ministério: 

  1. Proporciona um tempo com Deus na oração, meditação e adoração conforme eu me exercito
  2. Ajuda a minha atitude e minha disposição geral
  3. Me dá mais força e resistência, enquanto eu prego
  4. Me dá mais resistência enquanto eu cuido do rebanho de Deus e cumpro minhas obrigações
  5. Me dá mais estrutura e disciplina para minha vida
  6. Faz-me lembrar que meu corpo é de fato o templo do Espírito Santo
  7. Me permite ser um exemplo mais completo para o rebanho de Deus
  8. Aumenta a minha chance de uma vida mais longa, o que, por sua vez, aumenta as minhas oportunidades para o ministério
  9. Me ajuda a concentrar melhor enquanto estudo
  10. Ela glorifica e honra a Deus
Pregador; uma coisa é ter uma visão, outra coisa é ter a vitalidade necessária para sustentar essa visão. Quero ver grandes coisas se desenrolarem no meu ministério, vida e família; portanto, devo assegurar que vou estar lá quando isso acontecer. Comer uma salada ocasional, fazer mais algumas flexões, ir para a cama um pouco mais cedo, perder alguns quilos, e honrar o corpo que Cristo lhe confiou. Como Mickey Mantle disse: "Se eu soubesse que iria viver tanto tempo, eu teria cuidado melhor de mim mesmo".


domingo, 3 de maio de 2015

FRUTO DO ESPÍRITO - A VERDADEIRA VIDA CRISTÃ

Fruto do Espírito – Crescimento Visível em Jesus Cristo
O "Fruto do Espírito" é um termo bíblico que engloba nove atributos visíveis de uma vida cristã verdadeira, os quais estão enumerados em Gálatas 5:22-23: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão e temperança. As Escrituras nos ensinam que não são “frutos” individuais que podemos escolher. Antes, o fruto do Espírito é um só “fruto” com nove partes que caracteriza todos aqueles que verdadeiramente andam no Espírito Santo. Este é o fruto que cada cristão deveria produzir na sua nova vida com Jesus Cristo.

Fruto do Espírito – Os Nove Atributos Bíblicos
O fruto do Espírito é uma manifestação física da vida transformada de um cristão. Para amadurecermos como crentes, devemos estudar e compreender os atributos do fruto de nove partes:

Amor – “E nós conhecemos, e cremos no amor que Deus nos tem. Deus é amor; e quem permanece em amor, permanece em Deus, e Deus nele” (1 João 4:16). Com Jesus Cristo, o nosso principal propósito deve ser fazer tudo com amor. “O amor é paciente, o amor é bondoso; o amor não é invejoso, não trata com leviandade, não se ensoberbece; não se porta com indecência; não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal. O amor não se deleita com a injustiça, mas folga com a verdade; tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor nunca falha” (1 Coríntios 13:4-8).

Alegria – “A alegria do Senhor é a vossa força” (Neemias 8:10). “Olhando para Jesus, autor e consumador da fé, o qual, pelo gozo que lhe estava proposto, suportou a cruz, desprezando a afronta, e assentou-se à dextra do trono de Deus” (Hebreus 12:2).

Paz – “Sendo, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo” (Romanos 5:1). “Ora o Deus de esperança vos encha de todo o gozo e paz, em crença, para que abundeis em esperança, pela virtude do Espírito Santo” (Romanos 15:13).

Longanimidade (paciência) – Somos “corroborados em toda a fortaleza, segundo a força da sua glória, em toda a paciência e longanimidade, com gozo” (Colossenses 1:11). “Com toda a humildade e mansidão, com longanimidade, suportando-vos uns aos outros, em amor” (Efésios 4:2).

Benignidade (simpatia) – Devemos viver “na pureza, na ciência, na longanimidade, na benignidade, no Espírito Santo, no amor não fingido, na palavra da verdade, no poder de Deus, pelas armas da justiça, à direita e à esquerda” (2 Coríntios 6:6-7).

Bondade – “Pelo que, também, rogamos sempre por vós, para que o nosso Deus vos faça dignos da sua vocação, e cumpra todo o desejo da sua bondade, e a obra da fé, com poder” (2 Tessalonicenses 1:11). “(Porque o fruto do Espírito está em toda a bondade, e justiça e verdade)” (Efésios 5:9).

(fidelidade) – “Ó Senhor, tu és o meu Deus; exaltar-te-ei a ti, e louvarei o teu nome, porque fizeste maravilhas: os teus conselhos antigos são verdade e firmeza” (Isaías 25:1). “Para que, segundo as riquezas da sua glória, vos conceda que sejais corroborados, com poder, pelo seu Espírito, no homem interior; para que Cristo habite pela fé nos vossos corações” (Efésios 3:16-17).

Mansidão – “Irmãos, se algum homem chegar a ser surpreendido nalguma ofensa, vós, que sois espirituais, encaminhai o tal com espírito de mansidão; olhando por ti mesmo, para que não sejas, também, tentado” (Gálatas 6:1). “Com toda a humildade e mansidão, com longanimidade, suportando-vos uns aos outros, em amor” (Efésios 4:2).

Temperança (auto-controle) – “Vós, também, pondo nisto mesmo toda a diligência, acrescentai à vossa fé a virtude, e à virtude, a ciência, e à ciência, temperança, e à temperança, paciência, e à paciência, piedade, e à piedade, amor fraternal, e ao amor fraternal, amor” (2 Pedro 1:5-7).

Fruto do Espírito – Um Devocional Para Todos Os Cristãos
O fruto do Espírito é um estudo maravilhoso para os cristãos em qualquer nível de maturidade espiritual. Esperamos que este sítio da internet tenha fornecido um devocional que instigue a reflexão e que seja um ponto de partida para o crescimento.


sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

JOIO: A SEMENTE QUE CONTAMINA O CAMPO

Pr. Gomes Silva

Certa vez Jesus Cristo contou a parábola do joio e o trigo (Mateus 13:24-30), afirmando que o inimigo havia semeado o joio no meio da plantação de trigo e saiu. Então, vieram os discípulos e lhe perguntaram: “Queres, então, que o arranquemos”? (v. 29). A resposta do Senhor foi simples: “Deixai que ambos crescerem juntos até a colheita. Na época da colheita, direi aos que fazem a colheita: Ajuntai primeiro o joio e atai-o em feixes para queima-lo; o trigo, porém, recolhei-o no meu celeiro” (v. 30).
O estudioso Dennis Allan (www.estudosdabiblia.net) faz considerações importantes sobre o texto referido. Segundo ele, algumas pessoas ensinam que esta parábola fala sobre a igreja, mostrando que os pecadores convivem com os fiéis na igreja, aguardando o julgamento final de Deus. Mas tal interpretação, segundo ele, contradiz a palavra do Senhor.

E justifica dizendo que, “o próprio Jesus explicou a parábola, dizendo que "o campo é o mundo" (Mateus 13:38). No mundo, os servos dele convivem com os pecadores. Ele orou sobre os apóstolos: "Não peço que os tires do mundo, e sim que os guardes do mal. Eles não são do mundo, como também eu não sou" (João 17:15-16). Embora os servos dele sejam santificados, não podem sair do mundo”.

JOIO: A SEMENTE QUE CONTAMINA O CAMPO

Pr. Gomes Silva

Certa vez Jesus Cristo contou a parábola do joio e o trigo (Mateus 13:24-30), afirmando que o inimigo havia semeado o joio no meio da plantação de trigo e saiu. Então, vieram os discípulos e lhe perguntaram: “Queres, então, que o arranquemos”? (v. 29). A resposta do Senhor foi simples: “Deixai que ambos crescerem juntos até a colheita. Na época da colheita, direi aos que fazem a colheita: Ajuntai primeiro o joio e atai-o em feixes para queima-lo; o trigo, porém, recolhei-o no meu celeiro” (v. 30).
O estudioso Dennis Allan (www.estudosdabiblia.net) faz considerações importantes sobre o texto referido. Segundo ele, algumas pessoas ensinam que esta parábola fala sobre a igreja, mostrando que os pecadores convivem com os fiéis na igreja, aguardando o julgamento final de Deus. Mas tal interpretação, segundo ele, contradiz a palavra do Senhor.

E justifica dizendo que, “o próprio Jesus explicou a parábola, dizendo que "o campo é o mundo" (Mateus 13:38). No mundo, os servos dele convivem com os pecadores. Ele orou sobre os apóstolos: "Não peço que os tires do mundo, e sim que os guardes do mal. Eles não são do mundo, como também eu não sou" (João 17:15-16). Embora os servos dele sejam santificados, não podem sair do mundo”.

Mas na igreja é diferente. Quando o joio se manifesta entre o povo de Deus, deve ser arrancado. Paulo instruiu a igreja dos coríntios sobre como resolver o problema de imoralidade no meio da congregação. Ele usou palavras fortes para descrever a atitude certa em relação ao irmão que volta e permanece no pecado: "...já sentenciei...que o autor de tal infâmia seja...entregue a Satanás para a destruição da carne, a fim de que o espírito seja salvo no Dia do Senhor [Jesus].... Lançai fora o velho fermento....agora, vos escrevo que não vos associeis com alguém que, dizendo-se irmão, for impuro, ou avarento, ou idólatra, ou maldizente, ou beberrão, ou roubador" (1 Coríntios 5:3-5,7,11). Paulo escreveu aos tessalonicenses: "Nós vos ordenamos, irmãos, em nome do Senhor Jesus Cristo, que vos aparteis de todo irmão que ande desordenadamente..." (2 Tessalonicenses 3:6).

É bom ressaltar que o mesmo Cristo que deixou o joio com o trigo no mundo, fortemente criticou a igreja em Tiatira: "Tenho, porém, contra ti o tolerares que essa mulher, Jezabel, que a si mesma se declara profetisa, não somente ensine, mas ainda seduza os meus servos a praticarem a prostituição e a comerem coisas sacrificadas aos ídolos" (Apocalipse 2:20).

Paulo resumiu bem a diferença entre a igreja e o mundo: "Os de fora, porém, Deus os julgará. Expulsai, pois, de entre vós o malfeitor" (1 Coríntios 5:13).

Em sua análise sobre a mesma parábola, a estudiosa Gilda Carvalho (www.amaivos.com.br), ressalta que, por serem parecidas, as sementes do joio e do trigo acabam sendo lançadas juntas no mesmo campo.  E juntas acabam por crescer.  O joio, porém, é uma planta que sufoca as que crescem perto dela, impedindo seu desenvolvimento. O trigo, por sua vez, é a semente que vai gerar o pão que alimenta corpo e alma.  Se o joio não for arrancado a tempo poderá estragar toda uma plantação.

Diz ainda Gilda Carvalho: “Muitas vezes é necessário que cresça junto com o trigo, pois o ato de arrancá-lo pode comprometer também a boa planta. Na colheita é necessário separá-los e lançar fora o joio que de nada serve para o homem e preservar o trigo que se tornará alimento”.

Mas como tem sido o comportamento do joio no meio do trigo? Ele vive de várias formas, deixando muita gente admirada com suas ações enquanto que outras convivem com a dúvida sobre a sua conversão.

O joio um dia está na igreja motivado, envolvente e mostrando-se uma pessoa altamente espiritual (comunhão com Deus). No outro, desaparece; e quando surge de repente sempre trai consigo um “caminhão” de situações conflituosas. Ele senta geralmente entre o meio e à porta da igreja e sempre se incomoda com o horário do culto ou com a mensagem que está sendo ministrada pelo pastor, muitas vezes, alvo de suas críticas. Ainda como resultado de sua presença no meio do trio, o joio geralmente se mete em confusão, causando divisão e contenda no meio cristão.

O pior é que, de vez em quando, esse joio se mete onde não é cabível ao trigo: Vai a festas mundanas, se alia a quem tem uma vida contrária aos princípios da Palavra de Deus, andam lado a lado com quem é desprezível pela sua opção de vida e condena qualquer aversão a tais companheiros seus.

Em conformidade com Gilda Carvalho, Joio e trigo são sementes que crescem juntas no coração humano! Sementes que não podem, porém, ser misturadas sob pena de uma sufocar a outra e, pior, a ruim sufocar a boa. É preciso, por isso, uma constante vigilância, uma permanente escuta e leitura de nossa vida para perceber qual a semente que mais cresce em nós. É fundamental, por fim, a oração, via por onde Deus nos fala e nos aponta caminhos para descobrir as condições ideais para crescimento da boa semente, afastando com sua mão poderosa o temido joio.  Possamos, pois, produzir constantes frutos bons, alimentando os outros e semeando boas sementes.

Mas não podemos esquecer a exortação do apostolo Paulo: "Os de fora, porém, Deus os julgará. Expulsai, pois, de entre vós o malfeitor" (1 Coríntios 5:13).


quarta-feira, 25 de setembro de 2013

MAIS UMA ARMADILHA DE SATANÁS

Pr. Gomes Silva
Presidente da CEPEA-PB

O diabo continua trabalhando para levar as pessoas a desacreditarem na Palavra do Deus Vivo. Para que isso aconteça, ele usa várias maneiras. Uma delas é propagar o fim do mundo. Essa artimanha tem dado certo na mente de muitas pessoas, sobretudo daquelas que vivem sem o contato direto com a Verdade: As Escrituras Sagradas.

De tanto propagar o fim do mundo, o diabo consegue fazer com que as pessoas não se preocupem com o real fim do mundo, quando Cristo virá buscar a igreja redimida pelo seu sangue, vertido na Cruz do Calvário.

A mais recente investida do capeta é esta de que o mundo acaba (acabaria) neste dia 21 de dezembro (2012), conforme uma “profecia dos Maias”, povo que viveu a milhares de anos no México.

O apóstolo Paulo, ao escrever a Primeira Carta a Timóteo 4:1, o exorta a se preparar contra a investida dos espíritos enganadores, dizendo: “Mas o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios; pela hipocrisia  de homens que falam mentiras, tendo cauterizada a sua própria consciência”.

Jesus Cristo, o maior rejeitado nessa “estória de fim de mundo”, explica advertindo seu povo contra a falsificação sobre a sua vinda. Em Mateus 24:4-5, 24-25, Ele diz: Acautelai-vos, que ninguém vos engane; Porque muitos virão em Meu nome, dizendo: Eu sou o Cristo; e enganarão a muitos... Porque surgirão falsos cristos e falsos profetas, e farão tão grandes sinais e prodígios que, se possível fora, enganariam até os escolhidos. Eis que Eu vo-lo tenho predito. Portanto, se vos disserem: Eis que ele está no deserto, não saiais; Eis que ele está no interior da casa; não acrediteis.

É isto o que está sempre surgindo: uma gigantesca mentira espalhada por todo o mundo, que é a segunda vinda falsa e forjada.

Em assim sendo, a cada oportunidade que se diz que o mundo vai acabar e não acaba, as pessoas vão se acostumando até chegar a ponto de desacreditar na Palavra de Deus. E o que é pior: Continuando assim, essas pessoas vão conhecer aquele que hoje trabalha para levá-las a viver uma vida tem temor a Deus e sem preocupar-se com a sua vida espiritual. O inferno está lhes aguardando para fazer companhia ao enganador do mundo.

Eu prefiro seguir a Bíblia, onde está escrita a verdade do que vai realmente acontecer, conforme Mateus 24:27: “Porque, assim como o relâmpago sai do oriente, assim será também a vinda do Filho do Homem”. Quando isto vai acontecer, ninguém sabe. Só o Todo-Poderoso.

É a Palavra de Deus, a verdade que liberta o homem do pecado e do engano de satanás – João 8:32. “E conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”. E ponto final.